Pular para o conteúdo principal

De uma alma sensível, as constatações.




 Das coisas que vivi e aprendi, a que mais tem se destacado é a seguinte: coração não é panfleto de rua para distribuir ao primeiro estranho que aparece sorrindo. Infelizmente, ainda teimo em praticar isso.

 Uma coisa que pouco entendo é porque os homens são tão relapsos e insensíveis aos toques, e as mulheres tão frágeis e sensíveis. Um beijo numa balada pode não significar nada para ambos. Mas um beijo numa noite de lua cheia, numa praça repleta de casais - por exemplo - pode significar muito para uma mulher.
 Porém, para mantermos a política da "boa vizinhança" é necessário que a mulher esqueça tudo o que foi vivido tão intensamente num estalar de dedos. Porque o sexo oposto é tão imaturo e indeciso a ponto de amar num dia e 12 horas depois "querer só amizade, claro".
 É estranho chegar à essa conclusão, mas é a verdade: para se obter êxito em qualquer relacionamento na vida, é necessário aprender a se respeitar primeiro e conhecer suas fragilidades. Esse papinho egocentrista de amor próprio é balela e enganação porque (vamos ser sinceros, né?) amor NUNCA é próprio!
 Até onde eu me lembro, minha única vibe agora é a busca pelo Jornalismo e toda a felicidade que tal realização pode me trazer. E, tomando nota novamente, os homens estão dispensados da minha vida para envolvimentos maiores. Só é preciso repetir isso a mim mesma todos os dias!
 Afinal, não quero mais os miligramas de antidepressivos me ajudando a dormir e fazendo-me esquecer o quanto minhas escolhas amorosas fracassaram por culpa minha.
 Não sendo hipócrita ao ponto de afirmar em caixa alta que jamais irei me envolver com alguém novamente, confesso que tenho uma alma poeta e esta, por sua vez, não nasceu para vagar solitária por aí apenas escrevendo rimas de amores mau correspondidos.
 Essa alma delicada sabe que a solidão não é sua sina, mas sabe também que estar junto não significa somente estar junto fisicamente.  Faz-se necessário que as duas almas caminhem numa mesma direção e estejam buscando ser uma só.
 Por fim, não é possível me manter inabalável tendo em mim uma essência tão sensível e poeta. É preciso, sim, dizer que dói cada vez que alguém diz adeus tão rapidamente. Mas é mais necessário ainda levantar-me e prosseguir... até que um outro coração tão sensível se encontre ao meu e ambas as almas poetas possam se completar e aquietar.
 Talvez amar seja assim: errar até que o acerto chegue para que, ao olhar para trás, tenho a certeza de que valeu a pena cada lágrima derramada até ali.

:)

Comentários

Marcela disse…
Eu amei seu texto, assim como todos os outros, adorei o toque de esperança no desfecho, afinal, não é por erro de uma pessoa que temos que parar nossa vida. Tenho que discordar sobre aquilo do amor nunca ser próprio, a partir de quando a gente percebe quem somos, o que buscamos e a partir disso escolhemos o que é melhor pra nós, então estamos nos amando. Mesmo quando você encontrar uma pessoa pra dividir a vida, nunca se esqueça da pessoa mais importante nesse mundo - você mesma! Beijão, sucesso <3

Postagens mais visitadas deste blog

Etimologando: Recomeçar

É chegado o momento em que paro para refletir a palavra que marcou este ano. Talvez esteja um pouco cedo demais ainda, ou talvez não. Precipitei-me em escolher a palavra deste ano logo no início para que, desta forma, o ano seja "guiado" pelo significado dela.  Antes eu deixava as coisas acontecerem e só depois fazia esse balanço, para poder ver qual palavra havia marcado aquele período da minha vida. Por exemplo, mediante todas as mudanças ocorridas na minha vida no ano que se findou, escolhi "Maturidade" como a palavra de 2016.

Sobre a ansiedade crônica

Muita gente acha que é frescura e que logo vai passar. Outro tanto de gente acha que você só está estressada ou nervosa. Há, ainda, quem ousa dizer que é coisa da idade ou que são os hormônios.

Crônica de uma 'jornaleira': Afinal, quem sou eu na fila do pão?

Correria rotineira de uma sexta-feira a tarde numa rodoviária. Pessoas que chegam, outras que se vão. E eu estava indo de volta à minha tão amada e odiada Ibaté. Comprei a passagem, aguardei pelo ônibus, embarquei e viajei. Cheguei à rodoviária de São Carlos, encontrei com meu pai, fomos para minha cidade e, em poucos minutos, lá estava eu: de volta à pacata cidade onde nada acontece. Onde sinto que o tempo parou exatamente do jeito que deixei da última vez em que ali estive. Descrições à parte, estava eu no supermercado na fila do pão esperando a minha vez – pacientemente e vendo coisas da vida alheia nas redes sociais – quando ouço uma conversa mais ou menos assim: