Pular para o conteúdo principal

Cansaços

Sabe quando você se cansa de todos os dedos apontados para você? Quando você se cansa de lhe rotularem, julgarem e olharem torto para suas decisões? Sabe quando você se cansa de apontar o dedo para as pessoas, julgá-las, rotulá-las e colocá-las sempre num patamar abaixo?
 Pois é. Devido a essa série de cansaços e tantos outros é que larguei mão de algumas coisas e uma delas foi o fanatismo religioso, a necessidade de ir a grupos de jovens e demais encontros. Porque toda vez que eu ia a esses lugares havia pessoas que me olhavam torto pelo tamanho da minha roupa ou pelo modo como falo (com diversos palavrões no meio das frases) ou pela forma como penso. E porque, também, vivendo nesse ambiente aprendi a julgar mais as pessoas e tratá-las como era tratada: olhando torto para o diferente, evitando o "estranho" e pré-julgando os gostos alheios. 
 Mas, deixei de conhecer muita gente legal e boa, e deixei de vivenciar muitas experiências por conta desses meus pensamentos antigos. Só que, como tudo na vida, chega uma hora que algum estalo lhe acorda e você se dá conta que pode "pensar no que pensa" e deixar de julgar, rotular, desprezar, etc. Você se dá conta que também não quer mais isso e simplesmente abre mão. 
Que fique claro que não deixei de acreditar no Deus que sempre acreditei nem de professar minha fé (que sempre foi um ponto forte em mim), mas alguns hábitos tiveram que ser repensados por mim. Aquele exercício do "peraí, no que estou pensando? isso é realmente saudável e significa amar/respeitar mesmo?".


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Etimologando: Recomeçar

É chegado o momento em que paro para refletir a palavra que marcou este ano. Talvez esteja um pouco cedo demais ainda, ou talvez não. Precipitei-me em escolher a palavra deste ano logo no início para que, desta forma, o ano seja "guiado" pelo significado dela.  Antes eu deixava as coisas acontecerem e só depois fazia esse balanço, para poder ver qual palavra havia marcado aquele período da minha vida. Por exemplo, mediante todas as mudanças ocorridas na minha vida no ano que se findou, escolhi "Maturidade" como a palavra de 2016.

Crônica de uma 'jornaleira': Afinal, quem sou eu na fila do pão?

Correria rotineira de uma sexta-feira a tarde numa rodoviária. Pessoas que chegam, outras que se vão. E eu estava indo de volta à minha tão amada e odiada Ibaté. Comprei a passagem, aguardei pelo ônibus, embarquei e viajei. Cheguei à rodoviária de São Carlos, encontrei com meu pai, fomos para minha cidade e, em poucos minutos, lá estava eu: de volta à pacata cidade onde nada acontece. Onde sinto que o tempo parou exatamente do jeito que deixei da última vez em que ali estive. Descrições à parte, estava eu no supermercado na fila do pão esperando a minha vez – pacientemente e vendo coisas da vida alheia nas redes sociais – quando ouço uma conversa mais ou menos assim:

O "boom" do Depakote!

Se ninguém sabe ainda, meu maior sonho na vida é ser mãe. Sabe aquela coisa de se sentir bem perto de mulheres grávidas e imaginar como será na sua vez? Aquela coisa de chorar dias quando lê histórias tristes com crianças e imaginar se os seus filhos virão a este mundo para sofrer ou se poderá fazer mais por eles? Ficar as madrugas de insônia se imaginando grávida e cuidando dos filhos? (Suspiros, suspiros e mais suspiros).
  Tudo muito lindo, mããããs... um dia fui pega de calça curta pelo meu psiquiatra.