Pular para o conteúdo principal

Sobre a ansiedade crônica



 Muita gente acha que é frescura e que logo vai passar. Outro tanto de gente acha que você só está estressada ou nervosa. Há, ainda, quem ousa dizer que é coisa da idade ou que são os hormônios.

 Cresci, a frescura de uma garota mimada passou e o estresse as vezes vai embora, mas ela não. Ela fica. Acorda do meu lado e vai dormir comigo todos os dias.
 Há dias em que ela é uma senhora obesa e que ocupa todo o espaço da cama, fazendo com que eu me deite espremida num canto, com medo de me mexer e até de respirar. Mas há dias em que ela é uma criança exaltada e me deixa com os ânimos tão aflorados que nem as rezas mais poderosas são capazes de parar a disritmia em meu peito.
 Ah, e há aqueles dias em que ela se deita sobre mim. Fico imóvel na cama, meu corpo todo dói, meu peito parece que vai explodir com o peso dela e meu estômago chega a revirar.
 Sem contar os dias mais ousados em que essa tal ansiedade resolve que vai me asfixiar. Pega pela minha garganta e vai apertando até que fico sem ar. Quando acho que não vou mais aguentar, ela simplesmente me solta e vai embora. E me deixa sozinha na cama com o coração acelerado e me perguntando quando isso vai acabar. E se vai acabar.
 Claro que não é sempre assim. Quando minha vida está toda equilibrada e sem nenhum sinal de mudança, quando minha zona de conforto não é alterada, ela tira férias.
 Mas basta tomar uma decisão. Prestar um vestibular. Ter uma prova. Um encontro. Uma entrevista de emprego. Qualquer mudança que seja e ela reaparece. Como uma fênix, ressurge das cinzas muitas vezes.
 Os sintomas são sempre os mesmos e a forma como ela virá é sempre uma surpresa desagradável.
As pessoas ao meu redor falam a todo momento que eu devo relaxar e manter a calma. É nesse momento que ela adora me perturbar e como um pica-pau fica na minha cabeça me lembrando que ela estará me atormentando.
 Eu luto contra ela o quanto posso e das maneiras que consigo: yôga, meditação, leitura, reza, remédios, psiquiatra, psicóloga.
 Mas as pessoas custam a entender que não é tão fácil assim. Não é só acordar amanhã e me decidir: "Hoje não serei ansiosa em nada!" E como uma mágica acaba tudo.
 Acham mesmo que não há dias em que acordo disposta a acabar com ela? Mas exige esforço, tratamento (sim) e paciência.
 Enquanto isso, continuarei usando a escrita como a janela da minha alma, da qual saem todas as minhas angústias nas minhas noites de ansiedade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Etimologando: Recomeçar

É chegado o momento em que paro para refletir a palavra que marcou este ano. Talvez esteja um pouco cedo demais ainda, ou talvez não. Precipitei-me em escolher a palavra deste ano logo no início para que, desta forma, o ano seja "guiado" pelo significado dela.  Antes eu deixava as coisas acontecerem e só depois fazia esse balanço, para poder ver qual palavra havia marcado aquele período da minha vida. Por exemplo, mediante todas as mudanças ocorridas na minha vida no ano que se findou, escolhi "Maturidade" como a palavra de 2016.

Crônica de uma 'jornaleira': Afinal, quem sou eu na fila do pão?

Correria rotineira de uma sexta-feira a tarde numa rodoviária. Pessoas que chegam, outras que se vão. E eu estava indo de volta à minha tão amada e odiada Ibaté. Comprei a passagem, aguardei pelo ônibus, embarquei e viajei. Cheguei à rodoviária de São Carlos, encontrei com meu pai, fomos para minha cidade e, em poucos minutos, lá estava eu: de volta à pacata cidade onde nada acontece. Onde sinto que o tempo parou exatamente do jeito que deixei da última vez em que ali estive. Descrições à parte, estava eu no supermercado na fila do pão esperando a minha vez – pacientemente e vendo coisas da vida alheia nas redes sociais – quando ouço uma conversa mais ou menos assim:

O "boom" do Depakote!

Se ninguém sabe ainda, meu maior sonho na vida é ser mãe. Sabe aquela coisa de se sentir bem perto de mulheres grávidas e imaginar como será na sua vez? Aquela coisa de chorar dias quando lê histórias tristes com crianças e imaginar se os seus filhos virão a este mundo para sofrer ou se poderá fazer mais por eles? Ficar as madrugas de insônia se imaginando grávida e cuidando dos filhos? (Suspiros, suspiros e mais suspiros).
  Tudo muito lindo, mããããs... um dia fui pega de calça curta pelo meu psiquiatra.