Pular para o conteúdo principal

Os karmas de ser uma escritora sentimental.




 No dia dos namorados o meu presente foi um abraço doído de "foi bom enquanto durou". É, Ninna, a vida é assim! Só esqueceram de me informar que a frequência com que isso acontece sou eu quem determina e o meu coração sempre me pregará uma peça atrás da outra para que o fato seja corriqueiro em minha "nada mole vida".
 De crítica ferrenha da política brasileira, de olhares atentos aos políticos e à falta de coerência no nosso Senado; tenho me tornado mais uma escritora banal e sentimental da web que  publica seus desamores e suas súplicas mais intrínsecas em forma de poesias e cronicas ridículas! 
 Queria escrever textos inteligentes, bem dotados de saberes e palavras difíceis. Dissertações concisas, coerentes e de arrancar elogios dos doutores por aí. Queria e quero, mas vejo isso muito mais como um meio de esvaziar-me. Então, chego à conclusão que não tenho as qualidades nem o Q.I necessários para tal feito.
 Pois o coração domina a razão em certas épocas da vida e é por isso que escrever tem se tornado algo tão sentimental para mim. Estou ciente das consequências disso e já trato de evitar, mas as vezes parece inevitável deixar que ele (o coração) grite no papel. Só aqui ele encontra a liberdade necessária para falar tudo o que lhe prende, atormenta e amedronta. 
 Talvez este seja o meu karma, escrever por aí os desamores eternos de ser uma eterna ímpar. Porque o que não vai me faltar serão desamores, idas e vindas dessa vida que é tão curta e incerta. Dizem que minha forma de ver o mundo é tão diferente e isso me torna especial. Mas é ela mesma que me faz sofrer e atormenta minh'alma. Pois idealizar e acreditar que tudo pode mudar e que no fundo as pessoas são boas é o meu maior erro. E talvez, o que mais arranque lágrimas e suspiros em mim.
 Sei que sou nova e aprenderei muito com a vida ainda. Sei que tudo pode mudar e espero que mude mesmo, porque não sou nenhuma Gabriela para nascer e crescer assim, sem mudar. Afinal, todo ser humano está apto a mudanças porque é próprio de sua espécie mudar. A sociedade muda, o mundo muda e eu não ficarei de fora. Amadurecerei e verei o mundo menos colorido. Enquanto isso, ficarei escrevendo desabafos contínuos, dores metamorfoseadas em poemas e alegrias magicamente chamadas de poesia! Pois sou assim, simples até que alguém comece me entender.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Etimologando: Recomeçar

É chegado o momento em que paro para refletir a palavra que marcou este ano. Talvez esteja um pouco cedo demais ainda, ou talvez não. Precipitei-me em escolher a palavra deste ano logo no início para que, desta forma, o ano seja "guiado" pelo significado dela.  Antes eu deixava as coisas acontecerem e só depois fazia esse balanço, para poder ver qual palavra havia marcado aquele período da minha vida. Por exemplo, mediante todas as mudanças ocorridas na minha vida no ano que se findou, escolhi "Maturidade" como a palavra de 2016.

Sobre a ansiedade crônica

Muita gente acha que é frescura e que logo vai passar. Outro tanto de gente acha que você só está estressada ou nervosa. Há, ainda, quem ousa dizer que é coisa da idade ou que são os hormônios.

Crônica de uma 'jornaleira': Afinal, quem sou eu na fila do pão?

Correria rotineira de uma sexta-feira a tarde numa rodoviária. Pessoas que chegam, outras que se vão. E eu estava indo de volta à minha tão amada e odiada Ibaté. Comprei a passagem, aguardei pelo ônibus, embarquei e viajei. Cheguei à rodoviária de São Carlos, encontrei com meu pai, fomos para minha cidade e, em poucos minutos, lá estava eu: de volta à pacata cidade onde nada acontece. Onde sinto que o tempo parou exatamente do jeito que deixei da última vez em que ali estive. Descrições à parte, estava eu no supermercado na fila do pão esperando a minha vez – pacientemente e vendo coisas da vida alheia nas redes sociais – quando ouço uma conversa mais ou menos assim: