Pular para o conteúdo principal

Feito Seda




Sou comum, uma garota comum.
Sorridente, mas de humor imprevisível
Não me descreveria com tal empenho
Porque fazê-lo seria inútil
Mas a alma de um poeta é inquieta
E não para até que todos tenham sentido
O que traz em sua essência.


Nesse mundo barulhento
O que silencia o coração
E acalenta a alma é a poesia.
Posso sentir a inquietude 
De mentes barulhentas
Perturbadas, doentes e vazias.
O ponto de equilíbrio é, certamente, a poesia.
Porque o escrever é como um esvaziar da alma
Que transborda receios, medos e incertezas
Inseguranças, angústias e contradições.

Daí nasce a alma de um poeta
Da não incompreensão do mundo
Do não acomodar-se com o que incomoda
Do esvaziar-se, do expandir-se 
Do remediar dores e curar desamores
Do entregar-se e dissipar-se.
Do nascer, renascer e conceber.

Assim nasceu esta alma
Questionadora, simples,
Absoluta e sensível
Como tantas outras mil.
Com pensamentos inquietantes,
Mente conturbada,
Desejos ardentes,
Medo.
De sentimentos extremos,
Sonhos longínquos
E coração sensível.

Uma alma delicada e forte
Um rosto de menina,
Uma alma de mulher.
Como uma delicada
E macia seda
De mais alta qualidade!




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Etimologando: Recomeçar

É chegado o momento em que paro para refletir a palavra que marcou este ano. Talvez esteja um pouco cedo demais ainda, ou talvez não. Precipitei-me em escolher a palavra deste ano logo no início para que, desta forma, o ano seja "guiado" pelo significado dela.  Antes eu deixava as coisas acontecerem e só depois fazia esse balanço, para poder ver qual palavra havia marcado aquele período da minha vida. Por exemplo, mediante todas as mudanças ocorridas na minha vida no ano que se findou, escolhi "Maturidade" como a palavra de 2016.

Sobre a ansiedade crônica

Muita gente acha que é frescura e que logo vai passar. Outro tanto de gente acha que você só está estressada ou nervosa. Há, ainda, quem ousa dizer que é coisa da idade ou que são os hormônios.

Crônica de uma 'jornaleira': Afinal, quem sou eu na fila do pão?

Correria rotineira de uma sexta-feira a tarde numa rodoviária. Pessoas que chegam, outras que se vão. E eu estava indo de volta à minha tão amada e odiada Ibaté. Comprei a passagem, aguardei pelo ônibus, embarquei e viajei. Cheguei à rodoviária de São Carlos, encontrei com meu pai, fomos para minha cidade e, em poucos minutos, lá estava eu: de volta à pacata cidade onde nada acontece. Onde sinto que o tempo parou exatamente do jeito que deixei da última vez em que ali estive. Descrições à parte, estava eu no supermercado na fila do pão esperando a minha vez – pacientemente e vendo coisas da vida alheia nas redes sociais – quando ouço uma conversa mais ou menos assim: